Atrasei a parcela de uma dívida, tem como reverter essa situação?

Em um cenário econômico difícil que estamos enfrentando, o uso de financiamentos bancários tem sido cada vez mais utilizados por nós. Isso porque, é uma das oportunidades mais palpáveis para que você adquira determinados bens, que se fosse ter que juntar dinheiro, talvez nunca conseguiria assim fazer.

O financiamento tem sido buscado pela mais variada classe de pessoas, tanto uma pessoa física comum, na aquisição de veículos, imóveis e outros bens, como principalmente pelas empresas que precisam de investimento no seu negócio, para sua valorização e crescimento.

Porém, no meio do caminho, podem acontecer alguns fatores inesperados, fazendo com que você acabe ficando com a parcela da dívida em atraso. Essa é uma situação chata, mas muito comum, já que em anos e anos de parcelamento, podem, como dito, acontecer contratempos e fatores fora de sua vontade, não sendo mais possível honrar com o pagamento.

Se essa é sua situação, é importante manter a calma. Você já ouviu na vida que para tudo há uma solução? Bem, eu não sei se de fato para tudo existe, mas para esse caso, sem dúvida sim. Então, fique tranquilo.

Mas, quando falamos em manter a calma, não é sinônimo de ficar parado e deixar se acumular várias parcelas, virando uma verdadeira “bola de neve”, mas, para te tranquilizar de que ainda é possível resolver esse problema, mesmo com seus rendimentos sendo baixos. Com a estratégia correta é possível mudar essa situação.

Mas, como posso mudar essa situação? Através da negociação com o banco. As instituições financeiras, principalmente nesse tempo atual de pandemia, estão tentando facilitar a negociação e renegociação de dívidas. Dessa forma, tem tomado algumas medidas para estimular a quitação de débitos e renegociação de débitos de seus clientes.

Uma das medidas que vêm sendo tomadas, é a redução da taxa de juros pelo atraso no pagamento. Sabemos que os juros em alta escala, dificultam ainda mais a satisfação da dívida; em alguns casos, se estiverem muito exorbitantes, é preciso até um cuidado a mais por parte do cliente que contratou o financiamento bancário. Isso porque, por mais que você esteja na posição de devedor, não pode haver abusos por parte dessas instituições.

Mas como eu faço para saber se os juros cobrados pelo banco estão de acordo com a lei? Se você for leigo, provavelmente sozinho não será possível analisar detalhadamente todos os termos do contrato, e entender tudo que ali está inserido. Mas, também temos uma solução para isso. O uso de assessoria e consultoria jurídica irá te ajudar nessa função de verificar a legalidade do contrato.

Em termos práticos, quer quitar sua dívida? O que você deve fazer? Bem, a primeira coisa que você deve ter consciência, é de não deixar essa dívida de lado, deixando acumular juros e outros encargos sobre ela, e viver como se ela não existisse. Essa atitude pode te causar muita dor de cabeça em um futuro bem próximo. Não se engane.

Em segundo lugar, e como uma boa opção para você, é procurar ajuda de uma consultoria financeira especializada. Esse tipo de serviço pode te trazer muita economia na hora de negociar a dívida com o banco; isso porque trabalham na busca por procurar possibilidades de redução de juros.

Quando você se direciona ao banco, sozinho, e sem qualquer assistência, suas chances de obter uma vantagem na negociação se reduzem. Mas, quando você vai instruído por essa consultoria financeira especializada nesse tipo de problema, você pode se beneficiar com a redução de juros, e outros detalhes práticos a depender do seu tipo de contrato.

Você pode até se perguntar se o custo benefício da consultoria, seja ela financeira ou jurídica valem a pena. Eu te respondo que em muitos casos, o investido na consultoria é um valor muito inferior ao que você gastaria pagando juros e outros encargos ao banco.

Dessa forma, sem dúvida nenhuma, as consultorias são uma verdadeira ajuda de quem entende do assunto, com o objetivo de te trazer os melhores benefícios e tornar a transação menos onerosa.

Quais os riscos pela falta de pagamento? A busca e apreensão é um deles, e é temida por muitos. Existe um mito inclusive, de que a busca e apreensão só é realizada a partir de três parcelas em atraso. Mesmo que na prática, pelos trâmites que são necessários para realizar a busca e apreensão (como por exemplo, a citação do devedor), acaba por chegar nesse prazo médio de três meses. Contudo, essa não é uma regra.

A partir do primeiro dia que você está em atraso no pagamento da parcela, pode sim iniciar o procedimento de busca e apreensão. Então. Imagine se isso acontecer com você, como você terá mais preocupação e burocracia para resolver essa demanda.

A prevenção sempre será o melhor caminho para os mais diversos tipos de problemas a serem resolvidos. Portanto, caso você esteja em atraso com suas parcelas, faça um planejamento financeiro, consulte o profissional especializado, e veja a viabilidade e formas que melhor se adequa ao seu caso, para que você negocie a sua dívida. Negociar é o melhor caminho, ignorar a existência da dívida e deixar passar vários meses, é a pior decisão.

Não se esqueça que apesar do poder econômico das instituições frente a parte mais fraca que são os consumidores, ainda é possível se estabelecer um equilíbrio, e se alcançar acordos positivos e vantajosos para você como devedor.

Sendo assim, não deixe os juros e os encargos se acumularem. Procure o quanto antes a resolução do problema. Precisa de mais orientações e ajuda nesse assunto? Entre em contato conosco. Nossos profissionais estão prontos para lhe ajudar, tirar as suas dúvidas e orientá-lo na resolução desse problema.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Onde nos encontrar

Souto Costa Advogados Associados © 2020 Todos os direitos reservados. Configurações de Cookies. Política de Privacidade.