Auxílio emergencial: tenho direito mas me foi negado, e agora?

O período pandêmico causado pelo Coronavírus, COVID-19, causou vários impactos econômicos no país. Tais impactos não dizem respeito apenas a diminuição de aquisição de bens, mas no desemprego pela demissão em massa das empresas que não conseguiram manter todo seu quadro de funcionários. Muitas chegaram a fecharem as portas por insuficiência de recursos.

A Lei nº 13.982, de 02 de abril de 2020, alterou disposições da Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, para dispor sobre parâmetros adicionais de caracterização da situação de vulnerabilidade social para fins de elegibilidade ao benefício de prestação continuada (BPC), e estabelece medidas excepcionais de proteção social a serem adotadas durante o período de enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do Novo Coronavírus (Covid-19) responsável pela pandemia a partir de 2019, a que se refere a Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020.

Para amenizar os impactos causados pela pandemia, criou-se o auxílio emergencial, para assegurar o mínimo de subsistência as famílias, desde que atendidos alguns requisitos. Sendo eles os previstos na Lei nº 13.982/2020, artigo 2º (com redação dada pela Lei nº 13.998/2020):

  • Ser maior de dezoito anos de idade;
  • Não ter emprego formal ativo (carteira assinada pela CLT ou cargo público);
  • Não estar recebendo benefício previdenciário ou assistencial;
  • Não estar recebendo seguro-desemprego ou outro programa de transferência de renda (ressalvado o bolsa-família);
  • Ter uma renda familiar per capita de no máximo metade do salário mínimo (em torno de R$ 522,50 por pessoa);
  • Ter uma renda familiar total de no máximo três salários-mínimos (em torno de R$ 3.135,00);
  • Não ter recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018;
  • Ser microempreendedor individual (MEI);(ou ser contribuinte individual do INSS; ou ainda ser trabalhador informal, autônomo ou desempregado.

Cumpridas tais exigências legais, ou seja, os critérios de concessão, é um direito do requerente ao benefício, sem margem de discricionariedade.

Apesar de a lei trazer tais critérios, há quem realizou no aplicativo da instituição financeira CAIXA, o pedido ao auxílio, e teve o mesmo negado. Um dos motivos comuns que temos observado como justificativa da negativa ao auxílio, é de que a pessoa possui vínculo empregatício, enquanto na verdade não possui. E porque isso acontece? Bem, tal problema vem ocorrendo devido a falha de atualizações cadastrais dos solicitantes. A Dataprev, que analisa os dados, muitas vezes identifica um vínculo empregatício que na verdade já houve seu término. Ou seja, não houve a atualização no sistema de que aquela pessoa na verdade não possui mais o vínculo.

No ato de solicitação do benefício e com a negativa, ainda é possível contestar no próprio sistema a negativa, contudo, não é possível a anexação de documentos (como a Carteira de Trabalho, por exemplo), que comprovem que não há mais o vínculo empregatício.

Embora haja concessões absurdas, que podemos ver nos noticiários da televisão, em jornais, e nos mais variados veículos de informação, não podemos nos esquecer de que infelizmente existem diversas outras negativas que são injustas, e que há uma classe de pessoas verdadeiramente necessitadas e que infelizmente recebem a negativa do auxílio que fazem direito.

Frente a essas injustiças, o que você pode fazer para conseguir a manutenção do seu benefício?

Digamos que administrativamente já é possível a contestação da negativa, contudo, tão contestação se torna ineficaz quando não se permite inserir documentos comprobatórios que demonstrem que existe o direito ao auxílio.

Diante disso, só resta uma maneira de tornar efetiva a medida, que é judicialmente. E engane-se quem pensa que é um processo muito moroso que leva anos. Nesse caso, pelo caráter urgente da medida, e pelo caráter alimentar de manter as necessidades básicas da família, cumprindo os requisitos, pode-se tentar judicialmente para que seja concedido o auxílio.

Como funciona o processo judicial? No processo judicial serão analisados os mesmos requisitos que a lei estabeleceu para a concessão do auxílio emergencial.

Sendo assim, além dos documentos pessoais do requerente, devem ser inseridos a cópia da Carteira de Trabalho, comprovante de que não recebe benefício assistencial e outros (com exceção do bolsa família), além de comprovar a isenção do imposto de renda. Caso se configure em Microempreendedor individual (MEI), comprovar também as exigências quanto a arrecadação anual.

Veja que os documentos são simples e com isso já é possível realizar judicialmente o requerimento.

Você passou pela negativa injusta ao auxílio emergencial? Saiba que o profissional adequado pode te ajudar, calma! Procure um profissional competente na área e reivindique seu direito. Sabemos que a manutenção do auxílio é mais do que um direito, mas um dever de ajuda a subsistência ao cidadão brasileiro.

Precisa de ajuda? Entre em contato conosco em um de nossos canais de atendimento. Nossa equipe de profissionais está pronta para lhe atender e ajudar a resolver o seu problema. Busque ajuda.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Onde nos encontrar

Souto Costa Advogados Associados © 2020 Todos os direitos reservados. Configurações de Cookies. Política de Privacidade.