Como reduzir as parcelas do financiamento?

Existem algumas opções para renegociar o valor das parcelas do seu imóvel ou veículo, mas nem todas são vantajosas.

Existem algumas opções para renegociar o valor das parcelas do seu imóvel ou veículo, mas nem todas são vantajosas. Uma delas é a portabilidade de crédito imobiliário, ou seja, transferir a dívida para outra instituição financeira. Essa portabilidade foi regulamentada em 2014 e permite que quem já contratou um financiamento, possa migrar o saldo devedor para outro banco que ofereça ao cliente uma taxa de juros consideravelmente menor. 

No entanto, ao realizar esta prática, não é permitido aumentar o prazo para quitar o pagamento, nem o valor financiado. Além disso, existem custos adicionais, como em cartórios, para poder realizar a troca. Se a redução das taxas for superior a 0,5%, a mudança pode não compensar.

Ao assinar o contrato de financiamento do veículo, o consumidor já recebe o instrumento impresso, nele tendo sido acrescido apenas seus dados pessoais, o valor do financiamento, a quantidade de prestações e o montante de cada uma delas. Isso acontece de modo diferente do acordado e ao contrário da lei, ou seja, o consumidor foi aderente na relação negocial, onde sua vontade não existiu. 

Taxas de juros abusivas e redução de parcelas do financiamento

Alguns bancos têm, por prática, elaborar contratos de difícil entendimento do consumidor e, ainda, cobrar taxas de juros e outros valores sem amparo legal. Diante desse tipo de situação, onde só resta ao consumidor encontrar meios para continuar com o financiamento e não sair no prejuízo. Um deles é justamente a redução das parcelas do financiamento, que deve ser feita de forma cautelosa, para que o interessado não caia em nenhuma outra ‘armadilha’. 

Se o consumidor perceber que o valor total do financiamento do seu veículo será maior que 20% do preço do carro à vista, já está configurada a onerosidade excessiva, ou seja, uma cobrança acima do valor legal. 

Assim, torna-se não apenas necessário, mas um direito do consumidor, rever o valor das parcelas e reduzi-las , para que não haja complicações e deixe de ter condições de pagar o valor acordado.

Renegociar o débito com o banco também pode ser uma opção. Com a crise econômica, todos sofrem com ela, inclusive os próprios bancos. E esse contexto pode fazer com que as instituições financeiras tenham maior flexibilidade para negociar prestações em atraso ou até conceder algum tipo de carência para que o devedor consiga realizar o pagamento mensal.

Lembrando que, de qualquer maneira, sempre vale o que está previsto no seu contrato. O banco não é obrigado a negociar e essa opção não é tão simples e facilmente disponível.

Quem não paga as parcelas que deve, perde o imóvel ou veículo mais rápido. Isso porque o banco retoma a propriedade sem que haja necessidade de uma ação judicial. Vender o imóvel é também uma forma de quitar o financiamento, mesmo adiando o sonho da casa própria. Após isso, você pode comprar um imóvel mais em conta, que não pese no orçamento e que seja possível de pagar as parcelas sem dores de cabeça. 

Inclusive, você pode até conseguir alguém que possa comprar parte do seu imóvel, ao invés de vendê-lo por completo. No entanto, essa pessoa precisa ter garantias legais dessa operação, entrando com um reforço da venda do financiamento ou comprando à vista parte do imóvel. De ambas as formas, a operação precisa da autorização do banco.

𝐐𝐮𝐞𝐫 𝐟𝐚𝐳𝐞𝐫 𝐮𝐦𝐚 𝐩𝐞𝐫𝐠𝐮𝐧𝐭𝐚?  Deixe um comentário para nosso time de especialistas ou fale através do Whatsapp (71) 98603-1838, ou no telefone (71) 3351-1839. Será um prazer orientá-lo!

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Onde nos encontrar

Souto Costa Advogados Associados © 2020 Todos os direitos reservados. Configurações de Cookies. Política de Privacidade.