Como uma empresa pode participar de uma licitação?

Muitos empresários possuem curiosidade em como participar de uma licitação, e por isso, não buscam informações em quais são os processos burocráticos para tornar essa vontade uma concretização para a empresa.

Para participar de uma licitação é necessário estar atento a algumas exigências previstas na lei. E para quem tem dúvidas em relação à licitação, hoje trataremos de algumas informações sobre quais empresas podem participar de licitações públicas, como elas podem participar, quais são os documentos exigidos e em que situações as empresas não podem participar de um processo licitatório. Vamos lá?

  • Acompanhe as publicações de editais de licitações:

Em decorrência do Princípio da Publicidade, os instrumentos convocatórios das licitações devem ser publicados em local acessível à população e interessados. É interessante que a pesquisa seja feita nos diários oficiais da União (publicação diária), Estados (publicações diárias) e Municípios (costuma ser semanal).Em caso de autarquias, o edital pode ser encontrado no site do licitante.

É no edital de licitação, que o interessado em participar do processo irá encontrar as principais informações, como documentos necessários e prazos a serem cumpridos. Por isso, é essencial analisar detalhadamente o edital.

  • Esteja atento aos documentos necessários:

Em primeiro lugar, é necessário estar com a documentação da sua empresa regularizada, para se evitar imprevistos que possam prejudicá-lo na participação da licitação, até porque há um prazo para a entrega de documentos, entre outros trâmites.

É importante também que as empresas interessadas estejam inscritas nos órgãos públicos de cadastros de parceiros do governo.

E quais são os documentos exigidos para empresas participarem de licitação? Bem, diversos documentos são indispensáveis para a participação de uma empresa em um processo licitatório. São eles:

Habilitação jurídica: tem por fim a comprovação do funcionamento e a existência da empresa, além de demonstrar a aptidão dos sócios/representantes para contrair obrigações com a Administração Pública.

Os documentos exigidos variam de acordo com o tipo empresarial de cada empresa. Veja::

  • Empresa Individual: Registro Comercial inscrito na Junta Comercial do estado;
  • Micro empresas, EPP e demais empresas: Contrato Social ou Estatuto inscrito na Junta Comercial (inclusive, alterações contratuais, se houver);
  • Sociedade Civil: inscrição do ato constitutivo e prova de diretoria em exercício;
  • Empresas Estrangeiras: Decreto de Autorização comprovando o funcionamento  da empresa no país.

Regularidade Fiscal: a regularidade fiscal será comprovada mediante documentos que comprovem que a empresa está em dia tanto com a seguridade social, com o fundo de garantia, bem como com as suas obrigações tributárias (sejam elas municipais, estaduais ou federais).

Quanto aos documentos exigidos para comprovar a regularidade fiscal, temos:

  • CNPJ (pessoas jurídicas) e CPF (pessoas físicas). A comprovação será feita através do Comprovante de Inscrição e Situação Cadastral;
  • Prova de Inscrição no cadastro de contribuintes ICMS;
  • Certidão Negativa de Débitos;
  • Certidão emitida pela Secretaria da Fazenda Estadual;
  • Certidão que comprova regularidade com a Fazenda Municipal;
  • Prova de Regularidade com o FGTS.

Cabe lembrar que apenas são aceitas certidões negativas ou positivas com efeito de negativa.

Qualificação técnica: o terceiro ponto fundamental é comprovar a capacidade técnica da empresa em fornecer bens, prestar serviços ou executar obras.

Como exemplo, temos os Atestados de Capacidade Técnica, que são emitidos por empresa privada ou órgão com o qual a empresa já tenha realizado o fornecimento de bens ou prestação de serviços. É claro que não são todas as licitações que exigem esses atestados para comprovar que a empresa tem capacidade para cumprir o contrato. O importante é que no documento conste a descrição detalhada das características dos produtos ou serviço, qualidade, quantidades e tempo do serviço.

A depender da atividade empresarial de atuação dessa empresa, outras qualificações técnicas podem ser exigidas, como registros em conselhos profissionais, como o CRM, para serviços de saúde, ou o CREA, para obras de engenharia.

Qualificação Econômico-Financeira: o objetivo é demonstrar que a empresa que vencer a licitação é capaz de cumprir com o contrato. Mas, de que forma é feita essa comprovação? Através:

  • De garantia da proposta, de até 1% do valor do contrato a ser licitado. Pode ser apresentada, por exemplo, através do Seguro Garantia. Serve para garantir que a empresa, caso seja vencedora, irá manter a proposta.
  • Capital Social mínimo até 10% do valor total do contrato.
  • Certidão Negativa de Falência ou Concordata ou de execução patrimonial.
  • Índices de Liquidez.
  • Demonstrações contábeis do último exercício e Balanço Patrimonial.

Frente a essas informações e exigências quanto à possibilidade de participar de uma licitação, pode surgir uma dúvida: quem não pode participar de um processo licitatório?

De acordo com as disposições da Lei 8.666/93, não podem participar de forma direta ou indireta da licitação, da execução da obra, da prestação de serviços ou do fornecimento de bens necessários a serviços ou obras:

  • Autor ou executor do projeto (pessoa jurídica ou física) do projeto básico ou executivo;
  • Empresa, de forma isolada ou em consórcio, responsável pela criação de projeto básico ou executivo, ou aquele no qual o autor do projeto é gerente, acionista, dirigente, controlador ou aquele que possui mais de 5% do capital com direito a voto, subcontratado ou responsável técnico;
  • Dirigente ou servidor de entidade ou órgão contratante ou responsável pela licitação.

Observação: será considerada participação indireta quando há qualquer vínculo de natureza econômica, comercial, financeira, trabalhista ou técnica entre o licitante ou responsável pelos fornecimentos, obras e serviços, e o autor do projeto, pessoa jurídica ou física. Além disso, o autor do projeto está autorizado a participar somente como técnico ou consultor da licitação de obra ou serviço, ou em sua execução, desde que nas funções de gerenciamento, supervisão ou fiscalização, e unicamente a serviço da Administração Pública.

Se você é empresário e ainda ficou na dúvida se lhe é viável a participação em uma licitação, busque a orientação de um bom advogado que irá lhe ajudar. Em caso positivo, é indispensável a ajuda deste profissional para que todas as precauções e ações da empresa sejam tomadas da melhor forma possível, para que você tenha um processo licitatório seguro e de acordo com as exigências da lei.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Onde nos encontrar

Souto Costa Advogados Associados © 2020 Todos os direitos reservados. Configurações de Cookies. Política de Privacidade.