Erros que você não pode cometer ao negociar com os bancos

Seja você beneficiário de empréstimo ou financiamento, ou beneficiário por qualquer outro meio, possuindo vínculo com alguma instituição financeira, estará sujeito em algum momento em não conseguir honrar com suas obrigações.

E é nesse momento que, ao ter uma dívida, você se vê na necessidade de negociar os valores devidos. Contudo, existem diversos erros que você pode acabar cometendo na tentativa de negociar com o banco.

Fique conosco e saiba um pouco mais dos erros que você não pode cometer ao negociar com os bancos, principalmente nessa época de pandemia, e as inúmeras propostas, tome cuidado. Negociar com o banco é muito mais do que procurar o gerente e dar aceite na primeira alternativa que te for oferecida.

A negociação deve ser feita de forma estratégica, e a mais realista possível conforme suas condições enquanto cliente, e empresário.

Vamos então falar dos erros que uma empresa comete ao negociar com os bancos:

  • Ser precipitado: O primeiro erro que o empresário costuma cometer ao negociar com os bancos é ser precipitado. O empresário acaba acreditando que aquela alternativa inicial dada pelo banco deve ser aceita de imediato, sem que haja questionamentos. E porque isso acontece? Temos a falsa ideia de que o banco pode fazer o que quer, mas, não é assim! É necessário conversar e achar uma alternativa que seja melhor para sua empresa do que aquela que foi imposta pelo banco.
  • Dar sua casa como garantia da dívida da empresa: esse erro é fatal e você não pode cometer. Isso pode te implicar em muita dor de cabeça. Infelizmente é uma alternativa dada pelo banco. Mas nossa missão aqui é te alertar do risco dessa aceitação. O grande risco é porque dando seu imóvel em garantia, você está abrindo mão da impenhorabilidade dessa casa que é sua moradia. Sendo assim, esse imóvel pode ir a leilão para sanar essa dívida. Não corra esse risco! Existem outras alternativas que você pode aderir.
  • Não dar prioridade aos compromissos que você fez junto a instituição bancária: esse erro é comum, já que o empresário no dia a dia irá se ocupar com a atividade do seu negócio. Contudo, não pode deixar de lado o elo que o liga ao banco e seus compromissos. Se você não consegue administrar tudo isso, deve procurar um profissional que lhe ajude. Apenas acompanhar o saldo da empresa e extratos bancários, não é suficiente para cuidar do seu negócio. Seja prudente e acompanhe toda cadeia de entrada e saída de sua empresa.
  • Pensar apenas no curto prazo: o terceiro erro bem comum, é pensar somente no agora, no curto prazo. Em termos práticos, você acaba fazendo comprometimento financeiros, sem fazer um planejamento se você consegue viabilidade econômica para seus gastos a longo prazo. Como administrador do seu negócio você não pode cometer esse erro. Você deve ser prevenido e estar atento se é possível pagar aquela dívida feita, de forma que mesmo se a empresa passar por uma “crise”, você consiga pagá-la. Existem situações em que em um momento de superfaturamento, os sócios fazem compras pessoais altas, como compra de casa, carros, viagens, por acharem que estão com uma margem de lucro alta. Porém, é necessário cuidado para acabar comprometendo muito o seu orçamento fixo.
  • Negociar sozinho, sem a ajuda de um profissional: uma atitude muito comum nas empresas, é buscarem sozinhas a negociação com a instituição financeira. Mas, há um estudo que já comprovou que essa atitude não é correta em um cenário como esse. Costumam confundir a negociação de uma dívida de pessoa física (que geralmente é mais baixa), com uma dívida de uma empresa. Esta última, ao ser negociada, é muito mais complexa e exige muito mais cuidados por parte do empresário. Quando você está acompanhado de um especialista, ele consegue identificar benefícios e condições mais vantajosas a você como devedor de uma dívida junto ao banco, evitando que seja aceita a primeira condição imposta, que em 99% dos casos não é o mais benéfico ao cliente.

O que podemos concluir de todas essas dicas? Abordamos vários aspectos de atitudes que podem fazer total diferença na hora de negociar com o banco. Dentre essas dicas, a mais importante é contar com um profissional desde o início.

Recomendamos a todas as empresas, já contarem com a ajuda desse profissional o quanto antes. Isso porque, o profissional adequado irá atuar de forma preventiva, ou seja, evitando que você fique com saldo devedor.

Essa atividade preventiva é pouco utilizada pelas empresas, pois geralmente costumamos buscar esse tipo de serviço quando já estamos com o problema de dívida em aberto.

Se esse é o seu caso, mesmo que você não conseguiu agir preventivamente, o profissional ainda sim lhe será muito benéfico para que você negocie com o banco, buscando as melhores condições para a sua empresa, sem que você venha a falência ou perda seus bens.

Portanto, esteja atento. Havendo dúvida de qual o melhor caminho para negociar, procure uma consultoria e evite maiores dores de cabeça. Não saia assinando contratos de renegociação de dívidas. Até mesmo para renegociar é necessário fazer um estudo de viabilidade econômica de sua empresa. Caso contrário, as chances são grandes de que você não consiga cumprir novamente aquela dívida já negociada, e a situação acabará ficando cada vez pior.

Procure uma boa consultoria, e avalie a viabilidade econômica de sua empresa, e encontre as melhores vantagens para o seu negócio.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Onde nos encontrar

Souto Costa Advogados Associados © 2020 Todos os direitos reservados. Configurações de Cookies. Política de Privacidade.