Investimento Estrangeiro Empresarial

Você, empresário, sabe o que é o chamado investimento estrangeiro direto? Em nosso tema de hoje trataremos sobre esse assunto que é tão atual e importante para o mundo empresarial.

O Brasil é a 22ª nação que mais atrai investimento estrangeiro direto (IED). O País até havia saído da lista em 2019, mas voltou com tudo em 2020. Isso porque, a confiança dos executivos das 500 maiores companhias empresariais do mundo aumentou.

Talvez uma dúvida comum que acaba surgindo, é o motivo pelo qual uma empresa precisa receber algum tipo de recurso financeiro. Explicaremos então.

Bem, primeiramente precisamos entender que  o crescimento de um negócio depende diretamente do capital disponível que o empresário possui. Apesar do próprio empresário poder aplicar recursos, é normal também utilizar capitais externos, que podem ser nacionais ou de outro país.

É por esse motivo que o investimento estrangeiro direto se destaca, porque ajuda o negócio a conquistar competitividade. Com esse capital, a empresa pode, dentre várias atividades, construir outras instalações; reinvestir os lucros obtidos no exterior; realizar empréstimos entre empresas do mesmo nicho; fazer aquisições e fusões.

Ademais, os investimentos ajudam a melhorar a qualidade dos produtos vendidos e dos serviços oferecidos. Assim, é possível aumentar a participação de mercado e ter um número de clientes maior. Como consequência, ocorre elevação do faturamento.

Mais do que isso, o investimento estrangeiro direto facilita o intercâmbio de tecnologias, ativos, habilidades técnicas e capacidades gerenciais. Essa troca incentiva a inovação e melhores experiências.

Mas, o que seria o investimento estrangeiro? O Jornal PT.ORG nos traz um importante esclarecimento quanto a esse assunto. Veja:

“Investimento estrangeiro é qualquer movimentação de capitais internacionais para realizar um objetivo específico é considerado um investimento estrangeiro direto. A aplicação de recursos pode ser realizada por uma pessoa física ou jurídica, com o propósito de auxiliar o negócio a crescer depois de receber esse aporte.

Muitas vezes, o IED é voltado para a criação de filiais e joint ventures em outro país. Um exemplo são as multinacionais que atuam no Brasil. No entanto, existem outras possibilidades. Em qualquer um dos casos, uma de suas principais características é a permanência do capital por um longo período.

Como resultado, há melhoria da tecnologia empregada na empresa e da geração de empregos. O aumento da capacidade produtiva e a nivelação das economias de escala no mercado doméstico são outros benefícios percebidos com essa modalidade”.

E ainda nos explica como esse investimento funciona: “Considerando as possibilidades de aplicação do investimento estrangeiro direto — já citadas —, fica claro que boa parte das empresas brasileiras têm capital internacional. Isso ocorre, geralmente, quando o negócio atinge certo patamar de crescimento.

Assim, existe essa transferência de recursos financeiros para o Brasil, a fim de escalar as atividades. No entanto, o investimento estrangeiro direto vai além da compra de ações ou depositary receipts. O que costuma ocorrer é o controle da matriz internacional sobre a filial nacional.

Com isso, as tomadas de decisões administrativas, fiscais e financeiras são feitas pela empresa localizada em outro país. O montante acumulado do IED em determinado período é chamado de estoque de investimento estrangeiro.

Essa quantia é calculada pelo Banco Central. Para isso, são usadas 3 metodologias diferentes: conversão para dólares americanos por paridades históricas, que incluem ingressos, retornos e reinvestimentos; conversão para dólares americanos por paridades na data-base, que são 31 de dezembro de 1985 e 30 de junho de 1995; atualização de valores históricos em dólares americanos, usando o Índice de Preços ao Consumidor dos Estados Unidos como referência.

Dentro desse contexto, vários fatores estimulam a busca por investimento estrangeiro direto. Entre eles estão a procura por: recursos naturais nos países que receberão o aporte — no caso, o Brasil — para explorar as matérias-primas; oportunidades para ampliar a participação da empresa investidora no mercado nacional, já que esse processo é facilitado pela produção local; tecnologia específica; eficiência produtiva, a fim de aumentar o rendimento e reduzir os custos de produção”.

Diante desses esclarecimentos, podemos facilmente mencionar quais as vantagens que o investimento estrangeiro pode proporcionar a uma empresa. Sem dúvidas, como destaque temos a oportunidade dessa empresa se desenvolver, e consequentemente, com seu destaque, alcança um nível mais elevado de atuação e competitividade entre seus concorrentes. Por consequência, outro fator relevante que temos, é o aumento do número de empregos, o que leva ao giro da economia muito mais saudável para o país.

Podemos citar ainda outras vantagens, que vão além de obter capital. E são elas: promoção do desenvolvimento econômico local; integração das economias mundiais; transferência de tecnologia;intercâmbio de conhecimentos relacionados à gestão corporativa; contribuição ao balanço de pagamento; geração de empregos, com consequente fortalecimento da mão de obra nacional; financiamento externo; melhoria das práticas gerenciais; efeito de transbordamento na economia doméstica;incentivo à economia brasileira, com impacto positivo no Produto Interno Bruto (PIB); geração de fluxo de capitais; dentre outras.

Mas como é possível receber o IED? O Brasil tem instituições dedicadas a atrair investimento estrangeiro direto. A principal é a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex–Brasil). Para atuar, esse órgão é composto por membros de: Ministério das Relações Exteriores; Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços; Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Para fazer o cadastro da sua empresa, você deve preencher os dados solicitados. Microempreendedores Individuais, Microempresas, Sociedades Limitadas Unipessoais e LTDAs não precisam enviar outros documentos. Em relação aos outros tipos de negócios, existem algumas exigências que devem ser observadas.

Após o cadastro, sua empresa está pronta para receber o investimento estrangeiro direto e alcançar novos horizontes. Quanto ao custo da operação é de 1,3% e o câmbio utilizado é o comercial. Além disso, o prazo é de apenas 1 dia útil. Dessa forma, o negócio adquire competitividade, eficiência, e é claro, lucro.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Onde nos encontrar

Souto Costa Advogados Associados © 2020 Todos os direitos reservados. Configurações de Cookies. Política de Privacidade.