O que fazer em caso de ausência do pagamento do aluguel?

Se você deseja alugar seu imóvel, é necessário ter ciência de que alguns fatores podem acontecer, fazendo com que o inquilino deixe de realizar o pagamento do aluguel. É importante estar atento  aos direitos de um locador e de um locatário antes de estabelecer uma relação com os novos moradores da propriedade.

Mas, o que pode acontecer se identificada a ausência de pagamento do aluguel? Bem, para essas questões, temos a Lei do Inquilinato que prevenirá qualquer atitude equivocada em situações de divergência, já que são muitos fatores que levam à falta da realização do pagamento, porém, a descrição e a boa relação das partes devem ser preservadas, mantendo o respeito e a descrição.

Quais as consequências jurídicas que decorrem da falta de pagamento? Se você é o locador, e seu inquilino se encontra inadimplente, você é o maior interessado em saber quais medidas podem ser tomadas diante da ausência de pagamento dos aluguéis. Vamos conhecer agora o que a Lei do Inquilinato fala sobre essa questão.

A lei foi criada para estabelecer os direitos e deveres do locatário. Aqueles que pagarão o aluguel devem receber o local em boas condições, ser isentos de taxas extraordinárias, receber assistência de reparo em relação a qualquer benfeitoria necessária, ter acesso a todos os comprovantes de pagamento e ser consultados primeiramente quando o proprietário decidir vender o imóvel.

Já quando se fala nas obrigações do locatário, a lei fala que o morador deve pagar pelos serviços de água, luz, telefone e demais contas, transferir o valor mensal do aluguel pontualmente, respeitar os regulamentos estabelecidos pelo síndico e devolver o imóvel em perfeito estado quando for entregar o imóvel.

Outro ponto a ser considerado é que o locatário não pode alugar um apartamento e transformá-lo em um escritório ou uma localidade com fins comerciais. É preciso seguir a especificidade contratual e não violá-la. Se existir cláusula contratual que proíba a utilização do imóvel para fins comerciais, ela deverá ser seguida.

Considerando tais informações iniciais, o que o locador pode fazer em caso de inadimplência? Será que pode ameaçar o locatário e forçar a saída do imóvel? De forma alguma, e por mais que o locatário esteja inadimplente, o locador também deve ter cuidado com suas atitudes frente a isso, caso contrário poderá sofrer as consequências como uma possível ação promovida pelo inquilino, pedindo danos morais ou materiais dependendo da circunstância.

Apresentaremos agora quais são as medidas que o locador poderá tomar frente a falta de pagamento do aluguel pelo locatário.

  • Enviar uma notificação extrajudicial: A notificação extrajudicial muitas vezes parece ser uma medida sem grandes efeitos, porém, costuma trazer bons resultados. Ela serve para informar o inquilino sobre o atraso, dando um prazo de pelo menos 15 dias para a regularização e indicando as possíveis consequências do não pagamento (inscrição em cadastros de inadimplentes, protesto ou ação de cobrança judicial e/ou ação de despejo). Se após a notificação extrajudicial o inquilino ainda tiver obrigações pendentes, ainda é possível entrar com um processo judicial para buscar os seus direitos.
  • Penhora do salário: O STF determinou que quem não cumprir com pagamento do aluguel no dia estabelecido terá a penhora de 10% do seu salário. Cabe lembrar que essa é uma decisão judicial recente e poderá ser aplicada àqueles que foram cobrados e não tiveram a consideração de dar um posicionamento sobre a questão.
  • Ação de despejo: Caso o locatário não esteja pagando o aluguel, e se recuse a desocupar o imóvel, é possível que o locador entre com a ação de despejo. O período de desocupação varia de acordo com a complexidade do caso, mas geralmente varia de 15 a 30 dias.
  • Inscrever em cadastros de inadimplentes ou protestar em cartório: Você sabia que quando o inquilino não paga o aluguel, ele também pode ser inscrito nos cadastros de inadimplentes ou ser protestado em cartório? É isso mesmo. Em ambos os casos, com a restrição em seu nome e CPF, a aquisição de crédito é prejudicada e isso pode ser um grande incentivo para que ele pague a dívida. Porém, o locador deve estar atento, já que essa possibilidade de inscrição ou protesto deve estar prevista no contrato. Além disso, o locatário deve ser notificado para regularizar a situação (notificação extrajudicial).

Como pode-se perceber, essas e outras medidas podem ser tomadas, frente a análise do caso concreto. É importante que o locador esteja atento, e conte com a ajuda de um bom advogado, pois este, será essencial para elaborar as cláusulas contratuais que melhor lhe proteja em caso de ausência de pagamento do aluguel, ou até mesmo frente a outros problemas que podem surgir dessa relação, até mesmo a devolução do imóvel em condições precárias, dentre outras situações que podem acontecer.

Sendo assim, caso você esteja na posição de locador, e deseja alugar o seu imóvel, é importante que você busque o profissional adequado, como medida de prevenção de problemas, e preservação do seu bem. Nada de pegar modelos de contratos prontos da internet, que nada se adequa a sua realidade, e ao que precisa ser estabelecido entre você e o seu futuro inquilino. Seja prudente em suas decisões, e não existe a contratação do advogado. Este é o melhor caminho para garantir que em caso de qualquer problema, terá a devida proteção respaldada não somente na lei, mas nas cláusulas contratuais que foram pactuadas. Tudo deve ser muito bem pensado para se evitar futuros prejuízos. Pense nisso.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Onde nos encontrar

Souto Costa Advogados Associados © 2020 Todos os direitos reservados. Configurações de Cookies. Política de Privacidade.